.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Domingo, 21 de Agosto de 2005
Atmosfera
atmosfera.jpg 
A atmosfera é o conjunto de gases que envolvem a Terra. A atmosfera terrestre é impedida de se libertar do planeta para o espaço pela acção da força da gravidade. A pressão atmosférica decresce à medida que se sobe em altitude na atmosfera. Na camada inferior, a atmosfera é composta por azoto (78%) e oxigénio (21%), ambos sob a forma molecular (dois átomos ligados). O restante 1% é essencialmente árgon, com pequenas percentagens de outros gases, incluindo vapor de água e dióxido de carbono. A atmosfera desempenha um papel essencial em vários ciclos da natureza (o ciclo da água, o ciclo do carbono e o ciclo do azoto). Constitui a principal fonte industrial de azoto, oxigénio e árgon, que se obtêm por destilação fraccionada do ar líquido.

A camada inferior da atmosfera, a troposfera, é aquecida pela Terra, por sua vez aquecida pela radiação solar infravermelha e da banda visível. O ar quente arrefece à medida que sobe na troposfera, provocando a precipitação e a maioria dos fenómenos meteorológicos. Contudo, as radiações infravermelhas e da banda visível constituem apenas uma parte da radiação electromagnética proveniente do Sol. A maioria das radiações ultravioletas de baixo comprimento de onda são filtradas pelas camadas superiores da atmosfera. O processo de filtragem é um processo activo: a altitudes superiores aos 50 km, os fotões ultravioletas colidem com os átomos da atmosfera, libertando electrões, para formar um plasma de electrões e iões com carga positiva. A ionosfera resultante actua como um reflector de ondas rádio, possibilitando às transmissões via rádio um «salto» entre pontos à superfície da Terra, muito distantes entre si.


Ondas de diferentes comprimentos são melhor reflectidas a diferentes altitudes. As colisões entre fotões ultravioletas e átomos produzem um aquecimento da atmosfera superior, embora a temperatura desça na termosfera, do seu topo para a base, à medida que os fotões de alta energia são progressivamente absorvidos nas colisões. Entre a termosfera e a tropopausa (na qual o efeito do aquecimento da Terra começa a diminuir), ocorre uma «protuberância térmica», no gráfico que compara temperatura e altitude, a um nível denominado estratopausa. Isto deve-se aos fotões ultravioletas de maior comprimento de onda, que resistiram à travessia das camadas superiores; aqui, encontram moléculas que dissociam em átomos. Estes átomos podem eventualmente voltar a ligar-se mas, geralmente, em combinações diferentes das anteriores; em especial, podem formar-se muitas moléculas de ozono (ternos de átomos de oxigénio). O ozono absorve melhor a radiação ultravioleta do que as moléculas comuns de oxigénio (formadas por dois átomos), e é a camada de ozono que impede a chegada de quantidades letais de radiação ultravioleta à superfície da Terra.


Muito acima da atmosfera, até agora descrita, situam-se as cinturas de radiação de Van Allen. São regiões nas quais as partículas ionizadas de alta energia, provenientes do Sol (como o chamado vento solar), foram capturadas pelo campo magnético terrestre. A cintura interna (a cerca de 1600 km de altitude) contém essencialmente protões e a cintura externa (a cerca de 2000 km) contém principalmente electrões. Por vezes, os electrões deslocam-se, em espiral, em direcção à Terra, especialmente em latitudes polares, onde o campo magnético é mais forte. Quando estas partículas colidem com os átomos e iões da termosfera, há emissão de luz. É esta a origem das luminescências visíveis nos céus de regiões próximas dos pólos, conhecidas por aurora boreal (a do hemisfério norte) e aurora austral (a do hemisfério sul).


Um fenómeno originado por um mecanismo idêntico, mas mais ténue e disperso, é denominado luminescência.


Durante períodos de intensa actividade solar, a atmosfera dilata-se e sofre uma variação de 10 a 20% na sua densidade. Uma das consequências desta situação é o afastamento dos satélites artificiais das suas órbitas normais, tornando-se impossível prever, com exactidão, o momento da regularização da sua trajectória.


Outros componentes da atmosfera podem ser encontradas em locais específicos: compostos de enxofre e azoto em cidades, sais sobre os oceanos e, por toda a parte, poeiras compostas por partículas inorgânicas, matéria orgânica em decomposição, pequenas sementes, pólen de plantas e bactérias.


In Biblioteca Universal da Texto Editora > http://www.universal.pt

publicado por nelsonfq às 01:23
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds