.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Sábado, 20 de Agosto de 2005
Águas Minerais (Mineromedicinais)

Chamam-se águas minerais ou mineromedicinais às águas naturais que possuem propriedades terapêuticas, determinadas pelas suas propriedades físico-químicas. Estas águas são procuradas para cura de várias doenças: reumatismo, fígado, pele, aparelho respiratório, aparelho digestivo, diabetes, colites, rins, bronquite, doenças ginecológicas, etc.


Uma das propriedades físico-químicas que pode revelar a natureza mineral de uma água é a temperatura na nascente. Uma água natural que nasce com uma temperatura nitidamente superior à do ambiente, conservando esta temperatura praticamente constante, seja qual for a época do ano, chama-se termal. Esta circunstância vem acompanhada simultaneamente de singularidades na composição salina desta água.
Alguns autores consideram a temperatura de 25ºC como limite inferior da termalidade.


Há águas que nascem a temperaturas muito altas. Assim em Portugal, por exemplo, as águas de Arego surgem a temperaturas à volta de 60ºC; as de S. Pedro do Sul nascem a 68ºC e as das Caldas de Chaves a 73ºC. Na Ilha de S. Miguel (Açores), na região das Furnas (Caldeira Grande), há água que nasce a 99ºC. Sabe-se que a temperatura de uma água é tanto mais alta quanto mais profunda é a sua origem.


Portugal é um país excepcionalmente rico em águas minerais. As mais importantes nascentes de Portugal são (segundo classificação do Instituto de Hidrologia de Lisboa):


I - Águas Francamente Mineralizadas
a) Sem características especiais: Monfortinho e Grichões.
b) Radioactivas:
1 - Termais: Luso
2 - Atermais: Abrunhosa e Caria.
c) Férreas: Vale da Mó e Cachopo.
d) Alumínicas: Foz da Sertã.


II - Águas Sulfúreas
a) Alcalinas (sódicas): Vizela, Anegos, S. Pedro do Sul, Moledo, Carvalhal, S. Jorge, Entre-os-Rios, Alcafache, Taipas, Caldas da Saúde, Manteigas,
Murtas, S. Gemil, Felgueira, Unhais da Serra, Cavaca e Monchique.
b) Neutras: Caldas da Rainha, Arsenal (S. Paulo), Monchão da Póvoa .
c) Hipercalinas: Cabeço de Vide.



III - Águas Carbonatadas
a) Gasocarbónicas:
1 - Bicarbonatadas sódicas Frias: Vidago, Salus, Pedras Salgadas, Campilho e Bensaúde;
Bicarbonatadas sódicas Quentes: Chaves.
2 - Bicarbonatadas mistas: Melgaço.
3 – Hipossalinas: Lombadas, Helena e Serra do Trigo (todas nos Açores).
b) Não Gasocarbónicas:
1 – Sódicas: Gerês, Carvalhelhos e Monção.
2 – Cáleicas: Moura, Vimeiro e Atalata (Tavira).


IV - Águas Cloretadas
a) Mesossalinas:


1 - Simplesmente cloretadas: Cucos, Piedade, Estoril, Amieira, Bicanho e Azenha.
2 - Cloretadas - nitratadas: Castelo de Vide e Santa Marta (Ericeira).
b) Hipersalinas: Termas Salgadas da Batalha.


V - Sulfatadas
Cálcicas: Cúria e Monte Real.


In http://www.gastronomias.com/bar-bebidas/aguas.htm

publicado por nelsonfq às 02:34
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds