.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Sexta-feira, 19 de Agosto de 2005
Salinas

As salinas constituem um valor cultural a não esquecer, pois o "sal das cozinhas" (cloreto de sódio) - o ouro branco que noutras épocas se revelava imprescindível para a conservação de alimentos - não se obtém com a devida pureza deixando apenas a água salgada secar ao sol e ao vento. Há que saber conduzir a evaporação da água salgada, controlando a precipitação selectiva dos vários sais que se encontram dissolvidos, para obter o cloreto de sódio quase puro, isto é, separado dos outros sais que precipitam em primeiro lugar.


Nos evaporadores, de formas mais regulares, sucessivamente menos profundos e de menor superfície, onde as águas vão ficando cada vez mais salgadas, precipitam os sais que devem ser removidos para não contaminar o cloreto de sódio: carbonatos, os brometos e os iodetos.


Nos cristalizadores, de formas irregulares, ocorre a precipitação do cloreto de sódio, quando a água atinge salinidades na ordem de 200 a 300 gramas de sal (cloreto de sódio) por kg de água - A salinidade da água do mar é cerca de 35 gramas de sal (cloreto de sódio, carbonatos, brometos, iodetos...) por quilo.


Aqui, a dimensão dos cristais também necessita ser controlada: quanto maior, mais limpo é o sal. Para obter o sal mais grosso, as águas devem estar rosadas (devido a presença de uma halobactéria). Se uma salina produz pouco sal e de fraca qualidade, necessita de ser "semeada" com o sal proveniente de uma salina produtiva onde as águas ficam devidamente rosadas.

O ritmo da evaporação tem de ser controlado através da medição da densidade da água (que é maior quando tem mais sal). Se não existir um instrumento apropriado para medir a densidade, pode-se observar como os gravetos ou as folhas de certa vegetação afundam ou flutuam nas águas. Se o vento ou o calor aceleraram excessivamente a evaporação, é necessário transferir águas menos salgadas de outros tanques.
publicado por nelsonfq às 13:15
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds