.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Segunda-feira, 9 de Maio de 2005
Não Deixe o Calor Fugir de Casa

Sabia que cerca de 60 por cento da energia proveniente dos sistemas de aquecimento é desperdiçada ao escapar por zonas que podem ser isoladas? Este método permite poupar dinheiro, ao mesmo tempo que, com uma casa quentinha e confortável, contribui para melhorar o meio ambiente.


 


É fácil, económico e produz excelentes resultados. Estamos a falar de algumas medidas simples que contribuirão, em muito, para um bom isolamento térmico da sua casa, embora, é certo, que, para que os resultados sejam realmente irrepreensíveis, seja necessário procederem-se a algumas obras.


 


Ainda assim, quer melhores argumentos para começar – já – a agir no sentido de impedir que o calor fuja, literalmente, de sua casa? Se ainda não está convencido, pense então um pouco no quanto nos prejudicamos com gestos – ou falta deles – que aumentam a factura da poluição.


 


E, se é verdade, que Portugal não é um país particularmente frio, basta vir um Inverno mais rigoroso para nos apercebermos de que as nossas habitações estão, de facto, muito mal preparadas para as temperaturas baixas. Aliás, podemos falar de temperaturas moderadas na zona da Grande Lisboa e, regra geral, nas regiões do litoral Sul do País. Mas estas são mais severas no resto do território, em especial nas terras altas serranas. Nessas alturas ou condições, lá vamos nós gastar dinheiro em várias frentes, adquirindo sistemas de aquecimento que apenas serão usados durante dois ou três meses no ano inteiro. Ou, pior, apenas durante algumas semanas, no caso das casas de férias. Mas a solução existe, é simples e inteligente: isolar a casa, diminuindo assim a necessidade de aquecimento.


 


O isolamento térmico passa, essencialmente, por três etapas: pelo isolamento da casa propriamente dita, (ou seja, de paredes, tecto e chão); pelo recurso aos têxteis, (como cortinas, tapetes e afins); e pela calafetagem de fendas e frestas. Todas juntas acabam por funcionar como uma espécie de agasalho da casa! Afinal, quando temos necessidade de nos proteger do frio, não saímos à rua com uma camisola com aberturas, mas com algo que, além de nos aquecer, impede o frio de entrar.


 


A primeira das três etapas, o isolamento da casa, é talvez a de mais difícil execução, pelo simples facto de, em princípio, ser necessária a intervenção de mão-de-obra especializada. No entanto, a ideia é revestir paredes, chão e tecto com materiais como lã-de-vidro, lã-de-rocha, celulose, cortiça, entre outros; recorrer à construção de caixas de ar entre paredes, por exemplo, ou a envidraçados na área virada a sul da casa, que captam a radiação solar numa zona que apanha mais sol no Inverno e menos no Verão. Todas estas técnicas são do domínio da chamada arquitectura bioclimática, que recusa o uso de máquinas poluentes ou a climatização artificial, garantindo aquecimento ou arrefecimento através de processos naturais e estratégias de construção. Contudo, qualquer bom profissional de construção saber-lhe-á executar e explicar todo o processo.
Mas as desculpas acabam aqui. As outras duas grandes etapas são simples e eficazes, embora todas se complementem.


 


Uma casa também se veste



Quanto mais “despida” estiver uma casa, mais fria será. E, evidentemente, além dos móveis (em especial os de madeira) e acessórios, a roupa do lar é fundamental. Por isso, tome nota.


 


- Um cortinado bem colocado (que acompanhe toda a extensão da janela) faz toda a diferença, podendo reduzir para metade as perdas de calor.


 


- O tecido do cortinado é, igualmente, algo a não descurar. Quanto mais grosso, mais aquece o ambiente. No entanto, é conveniente que deixe passar a luz (e o calor!) solar.


 




- Nas antigas casas senhoriais eram colocadas grandes tapeçarias nas paredes que funcionavam como isolantes térmicos. Nas casas actuais, não será necessário ir tão longe mas, para quem gosta de uma decoração étnica, por exemplo, existem tecidos bonitos que ajudam a revestir, e simultaneamente decorar, as paredes.


 


- Use e abuse dos tapetes e/ou carpetes e passadeiras no chão.


 


- O recurso a toalhas de mesa ou naperons ajudam a formar uma atmosfera mais acolhedora.


 


- Se precisa de ter as portas entre divisões permanentemente abertas, pense em colocar-lhes uma cortina. Existem bonitos tecidos semitransparentes ou transparentes, bordados com sóis e luas, simples ou coloridos que podem ser também uma mais-valia em termos de decoração.


 


- Fugindo um pouco aos têxteis, temos ainda os toldos e estores, que, além de permitirem o controlo da luminosidade, são importantes no isolamento térmico (e acústico).


 



Quando a casa tem buracos


 


Sim, porque o conjunto de frestas das portas e janelas de uma moradia média, de dois pisos, pode equivaler a um buraco de um metro quadrado! Uma boa maneira, portanto, de mandar dinheiro para a rua. Repará-los é urgente, mas existem ainda outras medidas a tomar.


 


- Qualquer pessoa pode calafetar as frinchas de portas e janelas: basta comprar um rolo de fita adesiva de espuma, também chamada borracha autocolante. A aplicação é muito simples, devendo a fita ser colocada em volta das portas e janelas, embora a espuma vedante tenha de ser substituída com alguma regularidade. Além do mais, estamos a falar de um produto relativamente barato.



- Os espaços entre as portas e o chão é muito importante. Para vedá-los, pode optar por “saias” ou barras (existentes no mercado) ou pelo clássico “chouriço” de pano e areia.


 


- Se tiver oportunidade, não deixe de substituir as janelas de vidro simples pelas de vidro duplo, já que este último modelo tem maior resistência térmica. Os resultados são excelentes – chegando a conservar o dobro do calor que as de vidro simples –, quer em termos de isolamento térmico quer acústico ou sonoro. Para resultados ainda melhores, certifique-se de que cada um dos vidros duplos tem diferentes espessuras.


 


- Se puder escolher, evite as janelas de alumínio ou metal, a menos que estas já venham incorporadas com separador térmico (o que é raro).


 


- As janelas de batente são melhores a prevenir saídas de calor do que as de correr. Opte pelas primeiras, se tiver oportunidade para tal.


 


- Mantenha as portas interiores (entre divisões) sempre fechadas. Não há necessidade da atmosfera quente de uma divisão, onde estão as pessoas (ou aquecida por meios mecânicos), se propagar para uma vazia e, daí, possivelmente para a rua.


 


 


In http://www.galpenergia.com
publicado por nelsonfq às 14:00
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds