.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Terça-feira, 12 de Abril de 2005
Centrais Fotovoltaicas (Centrais Solares)

As energias renováveis têm de representar 39 por cento do consumo em Portugal até 2010. A meta é ambiciosa, mas tem de ser cumprida. Ao fotovoltaico foi atribuída uma quota de 150 MW. Esse valor poderá ser alcançado com a construção da mega central projectada para o Alentejo, mas também com a ajuda de micro-centrais fotovoltaicas espalhadas pelo país.


A maior central de energia solar do mundo vai ser construída no Baldio das Ferrarias, na Amareleja, concelho de Moura. A escolha não foi por acaso: este é o local do planeta com maior número de horas de sol.


Mais de 100 hectares de painéis solares fixos e móveis – uma dimensão 12 vezes superior ao maior projecto actualmente existente na Alemanha – vão produzir 64 MW de energia.


O sistema folovoltaico converte a energia solar em electricidade devido ao seu material semi-condutor. Com a ajuda de um conjunto de baterias pode-se armazenar a energia eléctrica produzida ou então optar por injectá-la directamente na rede eléctrica.


A construção da central vai ser feita em três fases, como explica José Oliveira: “Vai ser feita ao longo de cinco anos, mas vamos injectar primeiro na rede 2,8 MW, porque aqui na subestação da Amareleja não há capacidade para receber mais energia. Depois tem uma segunda fase que vamos conseguir injectar 14,8 MW na subestação de Moura e finalmente em Outubro de 2006 vai estar pronta a subestação de Alqueva que permite injectar finalmente os 64 MW.


A divulgação da central fotovoltaica de Moura já foi iniciada com a colocação de microcentrais solares em três escolas do concelho, com potência somada de 75 KW.
O objectivo é criar nos alunos o interesse pelas energias limpas e ao mesmo tempo beneficiar os estabelecimentos de ensino, que vendem a energia produzida à Rede Eléctrica Nacional naquilo que é apenas o início de um megaprojecto.


Também será instalada em Moura uma fábrica de painéis fotovoltaicos, entre outras indústrias.


Enquanto se espera pelo arranque da central de Moura, vão surgindo pequenas instalações solares. No concelho de Barcelos, já entrou em funcionamento a primeira Microcentral Fotovoltaica ligada à rede eléctrica nacional, que vende a energia eléctrica produzida à EDP. A instalação é propriedade da COEPTUM Engenharia e foi concebida em colaboração com a Suntechnics – uma empresa alemã. O sistema é completamente automático e não necessita de técnicos em permanência no local.


Apesar destas iniciativas, há quem não acredite que o país consiga, em tão pouco tempo, passar a produzir, através de fontes renováveis, quase 40% de toda a energia eléctrica que consome. Mesmo com a ajuda do Alqueva e de outras barragens, dos muitos parques eólicos licenciados e da Maior Central Solar do mundo!!!


Artigo retirado do site http://2010.flmid.com

publicado por nelsonfq às 19:28
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds