.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Quarta-feira, 2 de Fevereiro de 2005
CERN

cern.jpg


O CERN é o maior laboratório do mundo de física de partículas que estuda a forma como os átomos e as outras partículas se comportam.


Esta organização de investigação científica nasceu em 1954 como resultado de um projecto conjunto de 12 países europeus. Actualmente são 20 os seus países membros: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Eslováquia, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Itália, Noruega, Países Baixos, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O seu nome inicial, Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire (CERN), foi alterado para Organisation Européenne pour la Recherche Nucléaire, mas ainda hoje permanece mais vulgar a primeira sigla.

Os seus laboratórios localizam-se em Meyrin, perto de Genebra, cruzando a fronteira entre a França e a Suíça. As experiências científicas são realizadas no maior acelerador de partículas do mundo, instalado num túnel subterrâneo com a forma de uma circunferência de 27 km: o LHC (Large Hadron Colider), à semelhança do já desactivado LEP (Large Electron Positron), é um acelerador de partículas que provoca colisões entre as mais elementares formas de matéria, como os protões.

As partículas são aceleradas devido à acção de um campo magnético produzido por ímans supercondutores (dois mil no total), imersos em hélio líquido a 1,9 Kelvin
(-275,05 ºC) e
sujeitos a um campo eléctrico de cerca de 12 000 amperes. Esta é a intensidade necessária para permitir que os dois feixes de partículas que circulam em sentido inverso, sob a fronteira franco-suíça, entrem em colisão com uma energia de catorze teraelectrão volts (catorze milhões de milhares de milhões de electrão volts). Para registar cerca de 800 milhões de colisões por segundo, estão instalados detectores que podem assinalar a presença e estudar o comportamento das partículas. O Atlas e o CMS são dois deles e contam com o contributo de investigadores e cientistas portugueses.


Com estes estudos pode-se saber como funciona o universo, de onde surgiu a matéria e quais as leis que  a regem.



Artigo retirado da Biblioteca Universal
2000 © Texto Editores



Ver também o site http://www.cern.ch

publicado por nelsonfq às 18:35
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds