.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2005
Novas Formas de Cozinhar: Placas Vitrocerâmicas

vitroceramica(2).jpg


Nos últimos anos temos assistido a uma autêntica revolução na cozinha. O aproveitamento optimizado do tempo que passamos a cozinhar, a conservação das propriedades dos alimentos, os novos hábitos de dieta e a segurança têm avançado significativamente. O tradicional sistema a gás completa-se com o cozinhar a vapor, cozinhar sobre o vidro (nas placas vitrocerâmicas), os fornos multifunções e os microondas. Cozinhar sobre o vidro foi um grande salto na cozinha, pois a limpeza é mais fácil que numa placa a gás e a cozedura pode ser controlada electronicamente através de um painel digital.


 


As placas vitrocerâmicas são placas eléctricas onde os elementos que aquecem são protegidos por uma placa em vidro vitrocerâmico. Este vidro recebe um tratamento especial, para resistir a altas temperaturas (600 ºC) e a choques correntes, actuando como condutor de calor sobre o recipiente, não difundindo o calor para fora da área de aquecimento. As placas vitrocerâmicas podem aquecer por:


 


> Radiação – utilizam resistências eléctricas que irradiam calor e aquecem os recipientes mais rapidamente que os bicos a gás, permitindo economizar energia.


 


> Halogéneo – utilizam tubos de halogéneo que emitem uma luz intensa muito quente, aquecendo os recipientes mais rapidamente que as placas vitrocerâmicas por radiação.


 


> Indução – utilizam uma bobine que gera um campo magnético, o qual atravessa o vidro da placa quando colocamos sobre ele um recipiente com fundo ferromagnético (que é atraído por um íman). O recipiente aquece devido à formação de uma corrente induzida no seu fundo. É a presença do recipiente em cima do queimador que desencadeia a produção de calor. O requisito primordial para activar o campo magnético é que o fundo do recipiente seja de ferro esmaltado, ferro fundido ou aço inox. Este sistema de aquecimento é o mais rápido de todos, sendo também mais económico e seguro porque o calor é transmitido sem aquecer o vidro, apenas quando o recipiente se encontra sobre a placa. Além disso, atinge temperaturas muito mais elevadas que os outros sistemas de aquecimento.


 


Artigo retirado de http://www.conselhos.continente.pt

publicado por nelsonfq às 12:53
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds