.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2005
Polição do Ar pelos Automóveis
Existem milhões de carros em Portugal, e todos eles emitem diariamente grandes concentrações de gases poluentes. A situação é preocupante nos principais centros urbanos onde o tráfego automóvel é intenso.

Se acelerar a fundo até pode impressionar os outros condutores, mas saiba está, seguramente, a gastar mais combustível e a poluir o ar. Do escape de um automóvel ligeiro saem quatro gases nocivos: o monóxido de carbono, os hidrocarbonetos, emitidos quando o carro inicia o percurso, o óxido de azoto, nos automóveis a diesel, e as partículas, correspondentes ao combustível que se evapora. A emissão destes gases aumenta nas chamadas situações de pára-arranca. Imaginemos o efeito de milhares de carros em cidades onde o trânsito intenso obriga a paragens constantes.

Pode-se criar um carro-laboratório, equipado com aparelhos que, durante a condução, permitem analisar parâmetros que relacionam o desempenho do automóvel e do condutor com o impacto ambiental. A recolha de dados é feita durante uma condução citadina simulando os principais erros da maioria dos automobilistas em zonas de maior e menor tráfego. Uma sonda no escape analisa as emissões e um leitor de veículo monitoriza os dados relativos à temperatura, velocidade e caudais. A relação entre as diferentes informações caracteriza a condução e permite elaborar um mapa para cada percurso efectuado.

Deste tipo de estudo, conclui-se que uma condução inconstante, com grandes variações de velocidade, gasta mais combustível e polui mais. Ao acelerar, há uma injecção extra de combustível que vai aumentar a emissão de gases. Os carros a gasolina poluem cerca de 90% do total nos primeiros minutos de viagem quando o motor ainda está frio.

As portagens, os semáforos e as rotundas também são inimigas do ambiente. Por exemplo, a paragem e consequente arranque a que obriga um sinal vermelho pode aumentar até 55% as emissões de monóxido de carbono de um veículo. A situação agrava-se nas portagens. Nas zonas de pagamento mais movimentadas as medições da qualidade do ar indicam que os níveis de CO podem atingir valores 400 vezes superiores ao mesmo local sem a paragem obrigatória.

Assim, deve-se utilizar o automóvel de um modo mais sustentado e recorrer aos transportes públicos sempre que for possível.
publicado por nelsonfq às 14:00
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds