.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2005
Louis Pasteur (1822-1895)
pasteur 
Químico e microbiologista francês que provou experimentalmente que a fermentação se deve a microorganismos, e que desenvolveu a teoria microbiana da doença. Sintetizou igualmente uma vacina para a raiva, que levou à fundação do Instituto Pasteur de Paris, em 1888.

Pasteur salvou a indústria francesa da seda ao identificar duas doenças microbianas que dizimavam os bichos-da-seda. Descobriu os agentes patogénicos responsáveis pelo carbúnculo (doença do gado) e pela cólera galinácea e criou vacinas para estas doenças. Inspirou o trabalho do seu aluno Joseph Lister sobre cirurgia anti-séptica. A pasteurização dos lacticíneos para combater a bactéria da tuberculose é baseada nas suas descobertas.


Pasteur nasceu em Dôle, França, e estudou em Paris na Ecole Normale Supérieure. Foi professor em Estrasburgo (1849-63), mudando-se para a École Normale Supérieure para instituir um programa de ensino que relacionava a química, a física e a geologia com as artes nobres. Em 1863, tornou-se ainda o reitor da nova faculdade de Ciências da Universidade de Lille, onde deu origem ao novo conceito de classes nocturnas para trabalhadores. Em 1867, montaram-lhe um laboratório com fundos públicos e de 1888 até à sua morte chefiou o Instituto Pasteur.


O aluno «medíocre» a química distinguiu-se desde muito cedo por uma vontade de trabalho inesgotável que o caracterizou até ao fim.


Uma dúvida de um produtor acerca da fabricação de vinho e de cerveja apressou a investigação de Pasteur sobre a fermentação. Com a ajuda de um microscópio, descobriu que o vinho correctamente envelhecido contém pequenos glóbulos esféricos de células de fungos, enquanto o vinho amargo contém células de fungos compridas. Ele provou que a fermentação não necessita de oxigénio, apesar de envolver microorganismos vivos e que para se obter uma determinada fermentação (produtora de álcool e não de ácido láctico) é necessário utilizar o fungo correcto. Pasteur também percebeu que, após a produção do vinho, este deve ser suavemente aquecido até cerca de 50 ºC - pasteurização - para matar os fungos e assim evitar a acidez durante o processo de envelhecimento.


> In http://www.universal.pt

publicado por nelsonfq às 18:17
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds