.posts recentes

. Navegue no site oficial d...

. O meu ecoponto

. Red List - Espécies Ameaç...

. Quercus defende reutiliza...

. Centrais de dessalinizaçã...

. Relatório Anual do Sector...

. Um ano depois...

. Principais dados estatíst...

. Eco-eficiência

. Aventuras no Planeta das ...

.arquivos

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2005
Fibras Ópticas

Inventada por Corning em 1970, a fibra óptica é um fio estreito e flexível de fibra de vidro, com o diâmetro de um cabelo humano, capaz de transmitir sinais luminosos. De cada vez que a luz atinge a parede da fibra de vidro , as propriedades do vidro fazem-na ressaltar para o interior, naquilo a que se chama "reflexão interna total". Se o vidro for suficientemente transparente, é possível transmitir sinais luminosos através de longas distâncias.



A unidade básica de um cabo é um par de fibras ópticas, das quais cada uma transporta informação numa direcção. De facto, cada fibra transporta várias mensagens ao mesmo tempo, graças à utilização de sofisticados sistemas de codificação e lasers de diferentes cores.


 


Um cabo moderno costuma incorporar um fio central de aço em redor do qual estão dispostos quatro pares de fibras ópticas, rodeadas por um invólucro de cobre que transmite a electricidade necessária aos repetidores; tudo isto é envolto por uma camada de plástico. Esta estrutura básica só é utilizada quando o cabo é colocado nas zonas mais profundas do oceano, a mais de 4000 metros da superfície, onde o cabo está a salvo de âncoras, aparelhos de pesca e outras ameaças.


 


Acima dos dois quilómetros, o cabo é revestido com malha de aço e, em profundidades inferiores a 150 metros, é habitual recorrer-se a uma blindagem reforçada. Além disso, nas zonas mais perigosas, o cabo é enterrado. No Báltico, por exemplo, os cabos estão enterrados ao longo de todo o trajecto.


 


Os sistemas mais modernos de cabos transoceânicos são formados por anéis com dois cabos paralelos separados por centenas de quilómetros e montados para que, se um dos cabos se avariar ou for cortado, o outro assume automaticamente a transmissão. O primeiro cabo óptico transatlântico, o TAT-8, instalado em 1988, tinha capacidade para cerca de 5000 transmissões (280 Mb/s). O Gemini, montado em 1998, permite mais de um milhão de chamadas em simultâneo.


 


Artigo retirado da revista SUPERINTERESSANTE


ver também o site http://www.corningcablesystems.com

publicado por nelsonfq às 15:11
link do post | comentar | favorito
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds